Carta do Conselho do Fedora

council logo 500px

O Conselho do Fedora é o nosso órgão de liderança e administração da comunidade de nível superior. Este é responsável pela administração do Projeto Fedora como um todo, e apoia a saúde e o crescimento da Comunidade Fedora.

O Conselho é composto por uma mistura de representantes de diferentes áreas do projeto, funções denominadas apontadas pela Red Hat, e um número variável de assentos conetados aos objetivos de médio prazo do projeto. As decisões são tomadas por um processo de consenso, no qual nós trabalhamos juntos como uma equipe comum para encontrar soluções compartilhadas e abordar preocupações, com foco em dar voz e não no equilíbrio de poder.

O Conselho é responsável por todo o Projeto Fedora como um todo, e é responsável por aconselhar e supervisionar outras equipes e outros órgãos de governança do Fedora, conforme necessário.

Responsabilidades

O Conselho é responsável por questões de importância estratégica para o Fedora que requerem liderança e coordenação entre as várias equipes e vários subprojetos a alcançar.

Seu papel principal é identificar os objetivos de curto, médio e longo prazo da comunidade do Fedora e organizar e permitir que o projeto os atinja melhor. Isso é feito em consulta com toda a comunidade do Fedora por meio de uma discussão pública transparente.

O Conselho governa os recursos financeiros do Fedora, trabalhando com nossos patrocinadores para estabelecer um orçamento anual alocado para apoiar as iniciativas do Fedora, incluindo Embaixadores do Fedora, eventos gerenciados pelo Fedora e outras atividades que avançam os objetivos do projeto.

O Conselho também decide sobre questões relacionadas ao uso das marcas registradas do Fedora, é responsável pela arbitragem final das reclamações relacionadas às políticas do projeto e pela resolução de disputas encaminhadas por outros comitês ou subgrupos, e pode lidar com questões legais ou pessoais sensíveis que requerem pesquisa e discussão para proteger os interesses do Projeto Fedora ou de seus patrocinadores.

Tomada de decisões

Por ser um processo de tomada de decisão, a decisão por consenso tenta:

  • Buscar concordância: ou seja, conseguir tanta concordância quanto possível.

  • Ser colaborativa: os participantes contribuem em prol de uma proposta em comum e a finalizam em forma de uma decisão que enderece as preocupações de todos os membros o tanto quanto for possível.

  • Ser cooperativa: num processo efetivo de decisão por consenso os participantes devem lutar para alcançar a melhor decisão possível para o grupo e todos os seus membros ao invés de combaterem para que vençam suas preferências pessoais.

  • Ser igualitária: todos os membros de um grupo que decide por consenso devem ter igual oportunidade de opinar no processo. Todos os membros devem ser capazes de apresentar e emendar as propostas dentro de critérios possíveis e razoáveis.

  • "Ser inclusiva:" o máximo possível de patrocinadores e interessados devem se envolver no processo de decisão por consenso.

  • "Ser participativa:" o processo de decisão por consenso deve, ativamente, solicitar a opinião e a participação de todos os membros do grupo que participa da decisão.

Muitas decisões básicas são feitas por meio de um processo conhecido como “aprovação preguiçosa"”, em que o consentimento geral é presumido, a menos que objeções válidas sejam levantadas dentro de um período de tempo – geralmente três a sete dias, embora o prazo deva ser declarado a cada vez e deve ser proporcionais ao impacto da ação. Esse processo é usado para decisões com consequências de curto prazo e que podem ser facilmente revertidas. Qualquer membro do projeto pode solicitar que o prazo seja estendido ou a decisão escalonada para exigir consenso total.

As decisões mais significativas são feitas por meio de um processo de consenso total. Para serem aprovadas, essas decisões precisam de três votos positivos (+3) e nenhum voto negativo (-1). Um voto negativo interrompe imediatamente o processo e requer discussão. Portanto, para permanecerem válidos, os votos negativos devem ser acompanhados de preocupações específicas sobre a proposta e sugestões sobre o que poderia ser alterado para torná-la aceitável. Um voto de “0” às vezes é usado para indicar uma discordância, mas vontade de ficar de lado; isso também deve ser acompanhado de uma explicação.

Este modelo combina com a fundação “Amigos” do Fedora, que pede por um consenso aceitável para servir aos interesses do desenvolvimento do software livre. Funciona porque trabalhamos juntos em uma comunidade de respeito mútuo, mesmo quando discordamos.

Em geral, o Conselho conduz os negócios em discussões públicas, e qualquer membro do projeto Fedora pode fazer votos negativos ou positivos. É dever do Conselho levar seriamente em consideração as questões levantadas desta forma, mas apenas os votos dos membros do Conselho são vinculativos na contagem final.

Quando o consenso não pode ser alcançado, o Conselho pode pedir ao Líder do Projeto Fedora para decidir sobre uma resolução. Tal solicitação pode ser feita quando questões que levam a votos negativos estão pendentes e todos os membros do Conselho concordam que o Conselho está em um impasse, ou se a disputa não for resolvida após quatorze dias e uma maioria simples dos membros do Conselho for a favor da solicitação.

Composição

Líderes de objetivos

Em uma base contínua, incluindo sessões no Flock e em reuniões públicas online, o Conselho identificará de dois a quatro objetivos da comunidade com um prazo de aproximadamente dezoito meses e nomear Líderes de objetivos para cada meta. Eles servirão como membros auxiliares do Conselho, com votos vinculantes apenas sobre questões relevantes para sua área específica.

Cada objetivo será documentado com metas mensuráveis, e o líder dos objetivos é responsável por coordenar os esforços para atingir essas metas, avaliando e relatando o progresso, e trabalhando regularmente com todos os grupos relevantes no Fedora para garantir que o progresso seja feito.

Representantes

O Conselho também inclui quatro assentos de representante, um Representante de Engenharia, um Representante da Mindshare e dois Representantes Eleitos.

“Engenharia” e “Mindshare” são áreas amplas que abrangem aproximadamente duas das principais áreas de atividade no Fedora. Engenharia é o trabalho técnico relacionado à construção e lançamento do sistema operacional Fedora e a infraestrutura relacionada a ele. Mindshare inclui marketing, design e Embaixadores do Fedora – em grande parte atividades que acontecem entre o Fedora e o mundo em geral, com o ciclo de lançamento de distribuição servindo como fonte de combustível, não a coisa que está sendo trabalhada.

A responsabilidade dos representantes de engenharia e mindshare é representar suas áreas coletivamente, não ser apenas uma voz individual que por acaso é votada por algum subconjunto do Fedora. Eles são selecionados pelas pessoas ativas nessas áreas, coordenadas pelo Comitê Diretor de Engenharia do Fedora (FESCo) e um grupo de mentalidade a ser criado, respectivamente, e servem para termos a serem determinados por esses comitês.

Os cargos eleitos cobrem todos os subprojetos do Fedora que não estão sob os banners de engenharia ou compartilhamento de ideias, e a comunidade em geral. Uma responsabilidade específica é representar a voz dos colaboradores individuais do projeto Fedora. Cada representante também trabalhará em objetivos específicos que ela ou ele traz para o Conselho, conforme destacado durante o processo eleitoral.

As eleições são realizadas duas vezes por ano, em conjunto com o ciclo eleitoral conjunto do Fedora. Um assento é selecionado em cada eleição e cada cargo tem um mandato de duas eleições (aproximadamente um ano). Nenhuma pessoa que atualmente detém outro assento no Conselho pode ser eleita. Se um assento ficar vago, o Conselho providenciará uma substituição temporária.

Cargos de liderança nomeados

Líder do Projeto Fedora

O Líder do Projeto Fedora atua como presidente do Conselho, organizando pautas de discussão, trazendo questões à mesa e facilitando o processo de consenso. Ele ou ela é responsável pelo sucesso em todas as áreas do projeto, mas não é um ditador, benevolente ou não. A FPL geralmente atua como a face pública e a voz coletiva do projeto, e tem o dever correspondente de ouvir, compreender e representar de forma justa as visões e necessidades coletivas dos contribuintes e interessados do projeto.

O Líder do Projeto Fedora é contratado pela Red Hat com o conselho e consentimento do Conselho.

Coordenador de Impacto e Ação da Comunidade Fedora

As iniciativas do Coordenador de Impacto e Ação da Comunidade Fedora (FCAIC) para aumentar as comunidades de usuários e desenvolvedores do Fedora, e para tornar as interações Red Hat / Fedora ainda mais transparentes e positivas. O orçamento da comunidade Fedora chega até nós através do Escritório do Programa Open Source da Red Hat, e esta posição facilita a tomada de decisões sobre a melhor forma de enfocar isso para atender nossos objetivos coletivos.

Assentos auxiliares

Tal como acontece com os líderes de objetivos, as próximas duas posições nomeadas são assentos auxiliares. Pretende-se que tenham um impacto positivo significativo no projeto como um todo, mas para minimizar a influência geral dos cargos nomeados versus aqueles selecionados pela comunidade, seus votos no processo de consenso devem estar relacionados ao escopo do respectiva função.

Representante da Equipe de Diversidade & Inclusão

A Equipe de Diversidade & Inclusão do Fedora trabalha em iniciativas para avaliar e promover igualdade e inclusão dentro das comunidades de contribuidores e usuários do Fedora, e ajuda a desenvolver estratégias de projeto em questões de diversidade. O Representante da Equipe de Diversidade & Inclusão conecta os esforços da equipe ao Conselho.

Esta posição é indicada por membros da Equipe de Diversidade & Inclusão do Fedora, com a aprovação do Conselho.

Gerente de Programa do Fedora

O FPgM coordena o planejamento e a agenda de lançamentos do Fedora e rastreia mudanças e recursos durante o ciclo de desenvolvimento e teste. Ele também auxilia na criação, manutenção e execução de processos formais e repetíveis do Fedora. Além disso, o FPgM atua como registrador e secretário das Reuniões do Conselho do Fedora.

Esta posição é financiada e contratada pela Red Hat, com a aprovação do Conselho.

Coda

Reuniões

O Conselho do Fedora não é orientado por reuniões ou por tickets, mas mantém reuniões públicas regulares do IRC para discutir questões atuais, esclarecer qualquer coisa pendente que possa ser resolvida rapidamente e para certificar-se de que nada importante seja deixado no limbo. Espera-se que todos os membros comuniquem regularmente o que está acontecendo em sua área, por meio de postagens em blogs ou outras atualizações públicas.

Além disso, o Líder do Projeto Fedora reservará horários regulares no IRC para se reunir com a comunidade. A participação não é obrigatória para todos os membros, mas é incentivada.

Transparência

A política geral do Conselho do Fedora é abrir por padrão. As reuniões são realizadas em canais IRC públicos e abertas a todos os usuários e contribuidores do Fedora. A discussão é mantida em uma lista de discussão pública aberta a todos os assinantes, e as decisões formais serão registradas em um sistema público de rastreamento de tíquetes.

Ocasionalmente, quando questões pessoais, particulares ou delicadas precisam ser discutidas, uma chamada telefônica pode ser usada. Uma lista de mala direta privada e uma instância de rastreamento de tíquetes também existem para essas situações, mas também só serão usadas ao lidar com esses problemas incomuns.

Compromisso de tempo

Servir no Conselho do Fedora é um compromisso significativo de tempo e energia. A carga de trabalho para as várias funções irá variar, mas cada uma exigirá um número de horas por semana e, na maioria dos casos, quanto mais, melhor um membro do Conselho será capaz de realizar o trabalho plenamente.

Reconhecemos que a maioria dos membros da comunidade Fedora não pode se dar ao luxo de trabalhar no Fedora em tempo integral ou como parte de uma posição remunerada. O compromisso de tempo necessário para essas funções vem simplesmente do que é necessário para liderar um grande projeto como o Fedora, e não tem a intenção de ser um limite artificial de quem pode participar. Sabemos que isso pode ser um limite pragmático e, por esse motivo, o Conselho é responsável por um esforço extra para receber, reconhecer, responder e recompensar de forma significativa a contribuição dos contribuidores que oferecem seu tempo individual.

Filosofia de governança

Para desenvolver o software livre, precisamos fornecer uma integração sustentável do software livre sem cortar atalhos. Ao fornecer uma primeira impressão positiva antes e durante a instalação e uso real, apoiamos a reputação do Fedora como um produto líder e confiável que atrai futuros usuários e colaboradores. Para fornecer essa integração e experiência, devemos ter um conjunto claro de prioridades para ajudar todos os contribuidores a decidir como alocar recursos e resolver conflitos. Essas prioridades não pretendem ser exclusivas ou impedir que os contribuidores trabalhem nas partes do Fedora que são importantes para eles.

Essas prioridades às vezes irão expor lacunas onde os contribuidores precisam de assistência adicional e permitir que eles a procurem tanto dentro da comunidade quanto trazendo contribuintes adicionais para ajudar, exclusivamente em sua área de interesse particular, se desejado. Embora estreitando nosso foco em algumas áreas, devemos fornecer oportunidades de exploração a todos os colaboradores dentro da estrutura de nossos valores essenciais e sem impedir o progresso.

Nota histórica

A estrutura de governança anterior (Administração do Fedora) tinha cinco membros indicados diretamente pela Red Hat e cinco eleitos em geral. A estrutura atual é mais complicada, mas tem uma proporção muito maior de membros selecionados pela comunidade por eleição ou mérito. Na estrutura do conselho anterior, o líder do Projeto Fedora tinha um poder de veto especial; no modelo atual, todos os membros votantes podem bloquear questões, com um motivo válido. O FPL não tem um veto especial, mas tem um poder limitado de “desbloquear” coisas se o consenso genuinamente não puder ser alcançado e uma decisão precisar ser tomada.

Registro de membros anteriores

Membros anteriores no Conselho do Fedora, junto com membros na Administração do Fedora anterior, estão documentados na página História dos membros do Conselho do Fedora.

História do documento

Este regulamento foi aprovado pelo Conselho do Projeto Fedora em 9 de out. de 2014 e está em vigor a partir de 26 de novembro de 2014. Quaisquer outras alterações significativas serão observadas aqui; alterações menores (redação ou formatação menores, etc., sem impacto no significado) podem ser encontradas no repositório git para documentos do Conselho.

2017-11-15: Atualização do Consultor de Diversidade para Representante da Equipe de Diversidade & Inclusão

2017-10-20: Movida a lista de membros atuais e informações de contato para outros documentos.

2017-04-05: Trocado “Outreach” para Mindshare. (tíquete)

2014-11-26: Aprovação inicial pela Administração do Projeto Fedora (tíquete)